Wall Street volta a tremer com o coronavírus. Bolsas descem quase 2%
27 Fevereiro, 2020
Lisbon Law Summit – Pedro Santana Lopes
4 Março, 2020

Taxas Euribor caem e a três meses para um novo mínimo de sempre

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, recuou hoje para -0,422%, menos 0,022 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%.

As taxas Euribor desceram hoje a três, a seis e a 12 meses em relação a segunda-feira, no prazo mais curto para um novo mínimo de sempre.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, recuou hoje para -0,422%, menos 0,022 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,448%, verificado em 03 de setembro.

No mesmo sentido, a Euribor a três meses recuou hoje para -0,463%, um novo mínimo de sempre e menos 0,029 pontos do que na segunda-feira.

O anterior mínimo de sempre da Euribor a três meses, de -0,448%, tinha sido registado em 03 de setembro de 2019.

 

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor caiu hoje para -0,362%, menos 0,035 pontos e contra o atual mínimo, de -0,399%, em 21 de agosto.

 

A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro diretoras do Banco Central Europeu (BCE).

As taxas Euribor acentuaram o valor negativo depois da indicação de Frankfurt de que vai manter as taxas de juro diretoras nos níveis baixos, em vez das subidas que se perspetivavam, e de que podem mesmo voltar a baixar, perante a pouca solidez do crescimento económico da zona euro.

A taxa de juro aplicada às principais operações de refinanciamento está em 0%, a taxa de facilidade permanente de cedência de liquidez em 0,25% e a taxa de facilidade permanente de depósito em -0,50%.

As taxas Euribor a três, a seis e a 12 meses entraram em terreno negativo em 2015, em 21 de abril, 06 de novembro e 05 de fevereiro, respetivamente.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Jornal Eco 03/03/2020