Bolsa portuguesa com ganhos ligeiros quando Europa aguarda pela Fed e eleições britânicas
11 Dezembro, 2019
Bruxelas mantém Portugal sob vigilância em 2020 por desequilíbrios macroeconómicos
17 Dezembro, 2019

Comércio internacional contribui para um aumento do défice em sete milhões

De acordo com o INE, o défice da balança comercial de bens registou um aumento de 7 milhões de euros face ao mês homólogo de 2018, atingindo 1,647 milhões de euros em outubro de 2019.

Em outubro de 2019, as exportações e as importações de bens registaram um aumento de 8,4% e 6,5%, fazendo com que o défice da balança comercial atingisse 1,647 milhões de euros no mesmo período, o que representa um aumento do défice de 7 milhões de euros face ao mesmo mês de 2018.

Os dados são confirmados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), esta terça-feira, que informa que excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações aumentaram 7,3% e as importações cresceram 5,9% (mais 6,7% e 10,4%, respetivamente, em setembro de 2019). No trimestre terminado em outubro de 2019, as exportações e as importações aumentaram 3,6% e 5,3%, respetivamente, face ao trimestre terminado em outubro de 2018.

Segundo o INE, em outubro de 2019 e em termos das variações homólogas mensais, as exportações e as importações aumentaram 8,4% e 6,5%, respetivamente. A variação apresentada em ambos os fluxos foi principalmente resultado da evolução registada no comércio dentro do espaço europeu. “Salientam-se os acréscimos nas exportações e importações de material de transporte”, informa o documento. “Destaca-se ainda o decréscimo nas importações de fornecimentos industriais (menos 2,2%), o único decréscimo nas transações de todas as grandes categorias económicas”.

De acordo com os dados do INE, tendo em conta os principais países de destino e os principais fornecedores em 2018, destacam-se os acréscimos nas exportações para França (mais 16,0%) e para os Estados Unidos (mais 46,8%). As exportações para Angola registaram o único decréscimo, menos 13,7%.

Os aumentos nas importações provenientes de França são os que mais se destacam, mais 15,8%, sobretudo de outro material de transporte (maioritariamente aviões). As importações provenientes da Rússia registaram o único decréscimo, com uma queda de 87,1%, sobretudo devido aos combustíveis e lubrificantes.

Jornal Económico 11/12/2019