Comissão força Portugal a mudar impostos sobre carros usados importados
27 Novembro, 2019
Nova Comissão Europeia de Ursula Von der Leyen aprovada
27 Novembro, 2019

Países da UE querem novo mecanismo de execução extrajudicial para malparado

O Conselho da União Europeia defendeu a criação de um mecanismo de execução extrajudicial para o crédito malparado das empresas, visando baixar os níveis de incumprimento nos empréstimos.

“Os embaixadores junto da UE aprovaram hoje a posição do Conselho sobre uma proposta relativa a um quadro comum e requisitos mínimos para o mecanismo extrajudicial de recuperação do valor dos empréstimos garantidos por garantias reais, caso o mutuário não consiga reembolsá-lo”, informou a estrutura em comunicado.

Segundo os Estados-membros, “uma execução extrajudicial eficaz pode ajudar a prevenir a acumulação de créditos não produtivos [os chamados NPLs, non-performing loans], já que proporciona aos bancos instrumentos jurídicos para recuperarem mais rapidamente as garantias reais“.

A ideia do Conselho é que este mecanismo sirva, então, para estipular garantias prévias entre uma instituição de crédito e o mutuário, isto aquando da concessão do empréstimo. Porém, defendem os Estados-membros, tal mecanismo só deve ser aplicado aos empréstimos às empresas, excluindo-se os créditos ao consumo.

“No caso de este novo mecanismo ter sido acordado entre as partes e de o mutuário entrar em incumprimento do empréstimo, a garantia real seria avaliada”, podendo depois ser vendida — a particulares ou em hasta pública — ou ser apropriada, transferindo-se a sua propriedade para o credor, especifica a nota de imprensa. Cabe agora ao Conselho negociar esta proposta com o Parlamento Europeu.

Também em comunicado, a Comissão Europeia — que chegou a apresentar uma proposta inicial sobre o desenvolvimento de mercados secundários para o malparado — saúda o acordo alcançando pelos Estados-membros. “A Comissão Europeia congratula-se com o acordo […] sobre novas regras de execução de garantias”, refere o executivo comunitário na nota, considerando que estas normas irão “ajudar a impedir a futura acumulação de NPLs”.

De acordo com a Comissão, esta proposta vem ainda dar seguimento à conclusão da União Bancária, que uniformiza as regras para os bancos na UE.

ECO

27/11/2019