Embraer prevê pedido de 1.390 novos jactos comerciais na China em 20 anos
6 Novembro, 2018
Lucros do Santander Totta crescem 16% para 385 milhões de euros
7 Novembro, 2018

Taxa de desemprego manteve-se nos 6,7% no terceiro trimestre

Taxa de desemprego é a mais baixa desde 2011, com um decréscimo de 1,8 pontos percentuais (p.p.) face do trimestre homólogo de 2017. Taxa de desemprego jovem fixa-se nos 20%.

A taxa de emprego em Portugal manteve-se inalterada no terceiro trimestre do ano face ao trimestre anterior, fixando-se em 6,7%, segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística publicados esta quarta-feira, dia 7.

Segundo os resultados do Inquérito ao Emprego relativos ao terceiro trimestre de 2018, Portugal regista novamente a taxa mais mais baixa desde 2011, com um decréscimo de 1,8 pontos percentuais (p.p.) face ao trimestre homólogo de 2017, “interrompendo as diminuições trimestrais” registadas desde o segundo trimestre de 2016.

Neste sentido, a população desempregada, estimada em 352,7 mil pessoas, manteve-se praticamente inalterada relativamente ao trimestre anterior, “interrompendo os decréscimos trimestrais observados desde o segundo trimestre de 2016”, salienta o INE. Já em relação ao trimestre homólogo, verificou-se uma diminuição de 20,6%, o que corresponde a menos 91,3 mil indivíduos desempregados.

Segundo o INE, a população empregada, estimada em 4 902,8 mil pessoas, registou um aumento trimestral de 0,6%, ou seja 28,7 mil indivíduos, e um aumento homólogo de 2,1%, o que corresponde a mais 99,8 mil indivíduos.

Esta variação refletiu o aumento de população empregado, ocorrido em pessoas de ambos os sexos, de forma idêntica, com um aumento de 0,7% de mulheres e de 0,5% de homens 0,5%, pessoas dos 15 aos 24 anos, com um aumento de 10,1%,  sendo ainda de destacar o aumento do emprego nas atividades de administração pública e defesa, segurança social obrigatória e nas de alojamento, restauração e similares, assim como nos indivíduos que trabalham por conta de outrem, com contratos sem termo (15,0 mil; 0,5%); e empregados a tempo completo (30,9 mil; 0,7%).

Já a taxa de desemprego jovem subiu para 20%, “correspondendo ao segundo valor mais baixo da série iniciada no 1.º trimestre de 2011”.

Fonte: “Jornal Económico” 07-11-2018